Mentira

A mulher pediu ao marido para ir comprar cigarros. Então ele vai até a loja mas já está fechada. Então vai até ao bar para comprar os cigarros na máquina automática.

No bar ele vê uma mulher deslumbrante e começa a falar com ela. Eles bebem qualquer coisa e uma coisa puxa outra… acabam no apartamento dela!

Depois de se divertirem ele percebe que são 3 da manhã e diz:

– Oh não! A minha mulher vai me matar! Por acaso não tens talco?

Ela dá-lhe um pouco de talco, ele espalha e esfrega-o nas mãos e depois vai para casa. A mulher dele está na porta de casa, à espera, e com cara de poucos amigos.

Quando ele entra ela pergunta:

– Onde você estava?

Bem querida, foi assim. Eu fui à loja mas já estava fechada, então fui ao bar para usar a máquina automática e entretanto vi lá uma mulher muito bonita. Depois de tomarmos umas bebidas uma coisa levou à outra e acabei na cama com ela.

– Ah sim? Deixe-me ver suas mãos!

Ela vê as mãos dele cobertas de pó de talco e grita:

– MENTIROSO!!! Foi jogar boliche outra vez!


Momento sério:

Hoje o blog faz 12 anos e não poderia deixar de agradecer à MEL e ao VOCACIONADOS (são os grandes culpados!), que assiduamente (todos os dias) curtem as piadas publicadas aqui, há muito tempo, motivando para que eu não pare de fazê-lo. Até as infames.

Que o blog consiga continuar a ser as cócegas diárias de vocês por muito tempo ainda.

Podem voltar a rir.

Maquiavélica

Uma mulher chega inesperadamente em casa e encontra seu marido na cama com outra mulher.

Louca de raiva, ela acha forças e arrasta o marido até a garagem. Chegando lá, prende o pênis dele numa morsa em cima da bancada, aperta até ficar bem preso e retira a alavanca da morsa. Aí, ela vai no armário de ferramentas e retira um serrote que ela coloca na bancada. O marido gritou:

– Querida, você não vai cortar ele, vai?

– Não, retruca a mulher. Você é que vai. Eu vou botar fogo na garagem!

Linhas de raciocínio

Na aula de Matemática, a professora pergunta:
– Joãozinho, se tem 3 passarinhos no galho de uma árvore e você atira com sua espingarda em um deles, quantos passarinhos ficam?
Joãozinho pensou e respondeu:
– Nenhum professora.
– Como nenhum Joãozinho. Se tinham 3 e você matou um, logo ficaram 2.
– Não professora. É que com o barulho da arma os outros dois voaram.
A professora pensou e disse:
– Taí Joãozinho. Gostei da sua linha de raciocínio.
O Joãozinho não perdeu tempo e mandou:
– Professora, posso fazer uma pergunta agora?
– Claro, Joãozinho!
– Havia 3 mulheres tomando sorvete. A primeira estava mordendo o sorvete, a segunda estava lambendo-o e a terceira estava chupando-o. Qual das três era a casada?
A professora pensou, pensou e respondeu:
– A que estava chupando o sorvete.
– Não professora. A que tinha a aliança na mão esquerda! Mas gostei da sua linha de raciocínio…

A penitência

Uma gaúcha vai até a igreja para se confessar:
– Padre, eu transei com meu namorado.
– Tudo bem, isso não é mais pecado.
– É, seu padre, mas eu também dei a bundinha.
– Bom, ai a coisa muda de figura, eu vou até a sacristia verificar qual é a penitência, e já volto.
Passados alguns minutos e nada do padre voltar, a garota começou a ficar preocupada com a penitência e saiu do confessionário. Nesse meio tempo, entra um gaúcho macho lá de Pelotas para e confessar, o padre volta e não percebendo que a garota havia saído diz:
– Deixe-me ver aqui na lista… A pena para quem dá a bundinha é 100 Pai-Nossos e 50 Ave-Marias.
E o gaúcho responde:
– A pena até que justa, mas bah, tchê, além de padre, tu também é vidente?


Conheça também meu blog Reflexões e Utopias


Dúvida pertinente

A escola leva os seus alunos até uma delegacia para que os alunos aprendam como a polícia trabalha.

Joãozinho vê um cartaz com varias fotos dos assaltantes mais procurados. Ele aponta para uma das fotos e pergunta ao policial:

– Esse bandido é realmente perigoso?

– É sim, filho – responde o guarda. – Os investigadores estão caçando-o já faz oito meses.

Joãozinho responde:

– Por que vocês não o prenderam quando tiraram a foto?

Investigação

O detetive presta contas à cliente:

– Ontem eu segui o seu marido. Ele foi primeiro a um restaurante, depois entrou numa loja, passou num salão de beleza. Em seguida foi a um Shopping, depois foi à uma casa de chá, na sequência à uma casa de jogo de bingo, foi numa boate e depois para um motel.

– Mas que cafajeste! – protesta a mulher. – Eu mato esse desgraçado! Diga-me em detalhes o que ele fez em cada um destes lugares.

– Bem… não fez nada. Acho que só estava seguindo a senhora!