Dicionário politicamente correto

Romper a face: Quebrar a cara

Creditar o primata: Pagar o mico

Inflar o volume da bolsa escrotal: Encher o saco

Impulsionar a extremidade do membro inferior contra a região glútea de alguém: Dar um pé na bunda

Derrubar, com a extremidade do membro inferior, o suporte sustentáculo de uma das unidades de acampamento: Chutar o pau da barraca

Deglutir o batráquio: Engolir o sapo

Colocar o prolongamento caudal em meio aos membros inferiores: Meter o rabo entre as pernas

Derrubar com intenções mortais: Cair matando

Eximir de qualquer tipo de sorte: Azarar

Dissuadir através dos procedimentos adotados pelo Dr.Miguel: Miguelar

Aplicar a contravenção do Dr.João, deficiente físico de um dos membros superiores: Dar uma de João sem braço

Sequer considerar a utilização de um longo pedaço de madeira: Nem a pau

Sequer considerar a possibilidade da fêmea bovina expirar fortes contrações laringo-bucais: Nem que a vaca tussa

Sequer considerar a utilização de instrumentos metálicos derivados do ferro: Nem ferrando

Derramar água pelo chão através do tombamento violento e premeditado de seu recipiente: Chutar o balde

Guloseima afrodescendente com distúrbio mental: Bolo nega maluca

Anúncios

Itens de banheiro

Um homem tem seis itens em seu banheiro: escova de dentes, pente, espuma de barbear, barbeador, sabonete e uma toalha de hotel.
A quantidade média de itens em um banheiro tipicamente feminino é 337. Um homem não consegue identificar nem explicar para que servem mais do que 10 destes itens.

As 10 melhores justificativas para quem for flagrado, pelo chefe, dormindo no trabalho

AS DEZ MELHORES JUSTIFICATIVAS PARA QUEM FOR FLAGRADO, PELO CHEFE,
DORMINDO NO TRABALHO:

01. “Eles me disseram no banco de sangue que isso poderia acontecer.”
02. “Isto é só um cochilo de 15 minutos para recuperar as energias, como foi ensinado naquele curso de gerenciamento do tempo que vocês me mandaram fazer.”
03. “Eu estava imaginando como é a vida de um cego.”
04. “Eu não estava dormindo! Eu estava meditando sobre a missão da empresa e tentando descobrir um novo paradigma.”
05. “Eu estava verificando se meu teclado é resistente a baba.”
06. “Eu estava fazendo um exercício altamente especifico de Yoga para aliviar o stress do trabalho. Vocês discriminam pessoas que praticam Yoga?”
07. “Por que você me interrompeu? Eu estava quase chegando numa solução para o nosso maior problema.”
08. “A maquina de café está quebrada.”
09. “Alguém deve ter posto café descafeinado no pote errado.”
10. “… em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Amém.”

Convenções

A Mirtes não se aguentou e contou para a Lourdes:
– Viram teu marido entrando num motel!
A Lourdes abriu a boca e arregalou os olhos. Ficou assim, uma estátua do espanto, durante um minuto, um minuto e meio. Depois pediu detalhes. Quando? Onde? Com quem?
– Ontem. No Discretissimu’s.
– Com quem? Com quem?
– Isso eu não sei.
– Mas como? Era alta? Magra? Loira? Puxava de uma perna?
– Não sei, Lou.
– O Carlos Alberto me paga. Ah, me paga.
Quando o Carlos Alberto chegou em casa a Lourdes anunciou que iria deixá-lo. E contou por quê.
– Mas que história é essa, Lourdes? Você sabe quem era a mulher que estava comigo no motel. Era você.
– Pois é. Maldita hora em que eu aceitei ir. Discretissimu’s! Toda a cidade ficou sabendo. Ainda bem que não me identificaram.
– Pois então?
– Pois então que eu tenho que deixar você. Não vê? É o que todas as minhas amigas esperam que eu faça. Não sou mulher de ser enganada pelo marido e não reagir.
– Mas você não foi enganada. Quem estava comigo era você!
– Mas elas não sabem disso!
– Eu não acredito, Lourdes. Você vai desmanchar nosso casamento por isso? Por uma convenção?
– Vou.
Mais tarde, quando a Lourdes estava saindo de casa, com as malas, o Carlos Alberto a interceptou. Estava sombrio.
– Acabo de receber um telefonema – disse. – Era o Dico.
– O que ele queria?
– Fez mil rodeios, mas acabou me contando. Disse que, como meu amigo, tinha que contar.
– O quê?
– Você foi vista saindo do motel Discretissimu’s ontem, com um homem.
– O homem era você.
– Eu sei, mas eu não fui identificado.
– Você não disse que era você?
– O quê? Para que os meus amigos pensem que eu vou a motel com a minha própria mulher?
– E então?
– Desculpe, Lourdes, mas…
– O quê?
– Vou ter que te dar um tiro.