Tiro certeiro

O rapaz chegou à loja de materiais esportivos para comprar uma mira para seu rifle. Pede ao vendedor que lhe mostre a melhor mira que ele tem a venda.

– Essa aqui é boa – diz o vendedor – é tão boa que se você mirar agora em cima daquele morro você poderá ver a minha casa!

O rapaz então olha pela mira na direção apontada pelo vendedor, e nisso começa a rir.

– Do que você está rindo? – pergunta o vendedor

– É que eu estou vendo um homem pelado correndo atrás de uma mulher que está pelada também.

O vendedor pega a mira da mão do rapaz, olha para sua casa, e em seguida entrega duas balas de rifle para o rapaz, dizendo:

– Então vamos fazer um trato: lhe dou essas duas balas, se você acertar um tiro na cabeça da minha mulher e outro no pênis desse sujeito desgraçado você leva essa mira de graça.

O rapaz olhou, mirou, e antes de atirar, se voltou para o vendedor:

– Quer saber? Acho que posso fazer isso com um tiro só!

Depoimento do mineiro atropelado

DEPOIMENTO DO MINEIRO ATROPELADO

Seu Zé, mineirinho, pensou melhor e decidiu que os ferimentos que sofreu num acidente de trânsito há semanas atrás eram sérios o suficiente para levar o dono do outro carro ao tribunal.

No tribunal, o advogado do réu começou a inquirir seu Zé:

– O Senhor não disse na hora do acidente ‘Estou muito bem’?

E seu Zé responde:

– Bem, vou lhe contá o que aconteceu. Eu tinha acabado di colocá minha mula favorita na caminhonete…

– Eu não pedi detalhes! – interrompeu o advogado. Só responda à pergunta:

– O Senhor não disse na cena do acidente: ‘Estou muito bem’?

– Bem, eu coloquei a mula na caminhonete e tava deceno a rodovia…

O advogado interrompe novamente e diz:

– Meritíssimo, estou tentando estabelecer os fatos aqui. Na cena do acidente este homem disse ao patrulheiro rodoviário que estava bem. Agora, várias semanas após o acidente ele está tentando processar meu cliente, e isso é uma fraude. Por favor, poderia dizer a ele que simplesmente responda à pergunta?

Mas, a essa altura, o Juiz estava muito interessado na resposta de seu Zé e disse ao advogado:

– Eu gostaria de ouvir o que ele tem a dizer.

Seu Zé agradeceu ao Juiz e prosseguiu:

– Como eu tava dizeno, coloquei a mula na caminhonete e tava desceno a rodovia quando uma picapi atravesso o sinar vermeio e bateu na minha caminhonete bem na laterar. Eu fui jogado fora do carro prum lado da rodovia e a mula foi jogada protro lado. Eu tava muito firido e num podia mi move. De quarqué forma, eu pudia orvi a mula zurrano e grunhino e, pelo baruio, eu pude percebe que o estado dela era muito ruim. Logo dipois do acidente, o patruiero rodoviário chego no locar. Ele orviu a mula gritano e zurrano e foi até onde ela tava. Depois de da uma oiada nela, ele pego a arma e atiro bem nos óio do animar. Então, o policiar atravesso a estrada com sua arma na mão, oio pra mim e disse:

– ‘Sua mula estava muito mal e eu tive que atirar nela. Como o senhor está se sentindo?’

– O que o Sr. falaria, meritísso?

A dívida

Um turco pegou dinheiro emprestado de um judeu.

Acontece que o turco se gabava de nunca ter pago uma dívida sequer e por outro lado o judeu nunca havia perdido nenhum centavo em transação alguma.

Passa o tempo e o turco enrolando e se escondendo do judeu e este na captura do turco. Até que um dia eles se cruzaram no bar de um português e começaram uma discussão. O turco encurralado não encontrou outra saída, pegou um revólver encostou na sua cabeça e disse:

– Eu posso ir para o inferno, mas não pago esta dívida.

E puxou o gatilho, caindo morto no chão.

O judeu não quis deixar por menos, pegou o revólver do chão, encostou na sua cabeça e disse:

– Eu vou receber esta dívida, nem que seja no inferno.

E puxou o gatilho, caindo morto no chão. O português que observava tudo pegou o revólver do chão, encostou na sua cabeça e disse:

– Pois eu, não perco esta briga por nada…