Os verdadeiros programadores

OS VERDADEIROS PROGRAMADORES

Os verdadeiros programadores nunca chegam na hora ao trabalho: a simples noção de horário é um freio considerável à “ingeniosidade” e à criação de que devem usar em seu trabalho.

Dentro de uma empresa os verdadeiros programadores são confinados num gueto chamado “Departamento de Informática” ou algo no gênero. Motivo oficial: dar-lhes a oportunidade de trabalhar em paz; motivo oficioso: não lhes dar oportunidade de paquerar as jovens secretárias de mini-saia, estas sendo caça reservada aos jovens tubarões de dentes compridos que são chamados “jovens executivos dinâmicos”.

Os verdadeiros programadores nunca usam gravata. Se por acaso resolvessem usar, por diminuir o fluxo de oxigênio ao cérebro, eles se tornariam imediatamente maus programadores e, a médio prazo, respeitados executivos… De qualquer modo, os verdadeiros programadores não usam camisa.

Os verdadeiros programadores nunca usam paletó. Por limitar de modo considerável os movimentos dos membros superiores, este acessório de vestuário lhes impediria fazer gestos bruscos e violentos quando se dão conta de que o programa sobre o qual passaram longas semanas de trabalho intensivo não está funcionando.

Os verdadeiros programadores não usam calça elegante. Preferem a calça jeans que lhes foi dada na Primeira Comunhão que, bem suja e desbotada, é muito mais prática para enxugar o suor de suas mãos quando lhes dão para fazer um verdadeiro programa COBOL.

Os verdadeiros programadores não engraxam seus sapatos. De qualquer modo, nunca se viu engraxar um Nike Air.

Os verdadeiros programadores nunca arrumam sua mesa; eles espalham um monte de rascunhos sobre os quais eles rabiscaram coisas incompreensíveis, o que dá a impressão ao chefe que eles estão fazendo programação estruturada. Pensando bem, uma mesa arrumada é marca registrada de funcionário público, já que eles só têm isso para fazer o dia todo.

Os verdadeiros programadores preferem trabalhar na Zona Norte, porque lá é autorizado fumar. Porque o verdadeiro programador fuma, e no mínimo três maços por dia. Ele acha que um cinzeiro cheio dá um tom pitoresco a sua mesa. Ademais, a sala enfumaçada tende a afastar os executivos furibundos que vêm cobrar o programa e que não querem que seu terno Hugo Boss novo tenha cheiro de fumaça. Na verdade, o verdadeiro programador só irá para de fumar o dia em que Bill Gates comprar a Philip Morris.

Os verdadeiros programadores usam cabelos compridos e sujos, porque, quando eles chegam no trabalho, preferem ser confundidos com o pessoal da limpeza do que com os executivos.

Os verdadeiros programadores não têm maleta: sua cabeça é suficiente para transportar seus conhecimentos.

Os verdadeiros programadores não têm celular. Não gostam que os chamem o dia todo. Aliás, os verdadeiros programadores só têm como amigos outros verdadeiros programadores, que geralmente estão na mesma sala.

Os verdadeiros programadores não gostam de linguagens visuais; estas linguagens foram criadas para que maus programadores possam eles também desenvolver aplicativos consumidores de memória e tempo de processamento, e sim no objetivo de vender o máximo de Pentium III.

Os verdadeiros programadores, por outro lado, sabem fazer esses aplicativos rodarem num XT… Aliás, nem sabem que já foi inventado o Pentium.

Os verdadeiros programadores detestam o HTML, esta linguagem que até o MacIntosh entende, destinada a não-programadores afim de lhes dar a impressão que são verdadeiros programadores. Se tiverem de desenvolver um site na Internet, os verdadeiros programadores utilizarão o Java, que, estando mais próximo do C, lhes dará a impressão de fazer programação de sistema quando estão, na realidade, desenvolvendo um site pornô.

Como os programadores caçam elefantes?

COMO OS PROGRAMADORES CAÇAM ELEFANTES?

dBASE
Programadores dBASE caçam elefantes apenas à noite, quando ninguém pode perceber que ainda usam tacapes, paus e pedras.

C
Recusam-se a comprar os rifles, preferindo adquirir canos de aço e todo o material necessário para construir o “rifle perfeito” a partir do zero – enquanto todos os outros já estão matando elefantes há muito tempo.

Turbo Pascal
Torcem o nariz para os programadores C, mas fazem igualzinho a eles. Como não usam “goto”, têm dificuldades extras de locomoção. Os elefantes se livram deles mudando de plataforma.

FoxPRO
Pegam os rifles que os programadores C jogaram fora e gastam mais tempo aprendendo novas técnicas de tiro do que realmente caçando elefantes.

Clipper
Não caçam elefantes realmente. Eles apenas compram bibliotecas de material de caça, uma após a outra, e gastam anos e anos tentando integrá-las e resolver os conflitos que surgem dessa integração.

Paradox
Viajam para a África com cópias de scripts de filmes de Hollywood sobre caçadas de elefantes, achando que esse material realmente irá ajudá-los a pegar um elefante.

Access
Programadores Access não têm experiência prévia em caça a elefantes. No entanto, estão sempre impecavelmente vestidos, com excelente visual. Conseguem enquadrar um elefante perfeitamente, mas sentem falta de um gatilho. Não importa: isso já é 99,9% da solução…

Visual Basic
Só caçam elefantes se tiverem o VBX adequado.

RBase
Programadores RBase são mais raros do que os elefantes. De fato, quando um elefante vê um programador RBase, considera-se em seu dia de sorte.

Visual
Programadores visuais apontam para as balas, apontam para os rifles e então apontam para o elefante. Isto simplesmente aborrece os elefantes. O elefante então destrói o mouse, e o programador não pode fazer nada a não ser olhar o elefante ir embora, rindo da cara dele.

ADA, APL e Fortran
São tão fictícios quanto Papai Noel e Branca de Neve.

COBOL
Programadores COBOL têm uma profunda simpatia com os elefantes e jamais caçariam outra espécie em extinção.

Assembly
Criam suas próprias manadas de elefantes, pequenas e mais velozes.