Escute só…

O psiquiatra ao cruzar o corredor do hospício, depara com um dos pacientes com a orelha colada na parede.
– O que está havendo? – pergunta ele.
– Pssiu! Escuta só!
Curioso, o médico encosta a orelha na parede e após alguns segundos sentencia:
– Mas eu não estou ouvindo nada!
– Pois é! Já faz uma semana que está desse jeito!

A Fuga dos Loucos

Dois loucos estavam loucos pra fugir do hospício e o mais inteligente deles apresentou um plano:

– Vamos fugir pelo buraco da fechadura!
– Genial! – comemorou o outro – Você passa primeiro e eu te sigo!

O louco tomou distância, correu em direção a porta e PLOFT! Bateu de cabeça. Furioso e sentindo a dor da pancada, ele reclamou:

– Droga! Deixaram a chave no buraco!

Futebol no Avião

Devido à superlotação de um hospício, alguns internos tiveram que ser transferidos para outra cidade, de avião. Já em pleno vôo, o piloto tentava convencer os loucos, pelo rádio, a parar de jogar futebol dentro do avião, até que teve que apelar para o co-piloto:

– Pelo amor de Deus, vai falar com esse loucos! Talvez eles atendam você, se for falar pessoalmente!

O co-piloto sai da cabine e vai ter com os loucos. Depois de pouco tempo, ele volta e o silêncio é total.

– Incrível! – aplaudiu o piloto – Como você conseguiu fazer esses malucos pararem?

– Foi fácil – respondeu o co-piloto – Eu mandei eles jogarem bola na rua!

Conversa de doidos

Um sádico, um masoquista, um assassino, um necrófilo, um zoófilo e um piromaníaco estão sentados num banco de jardim dentro de um sanatório, sem saber como ocupar o tempo. Diz o zoófilo:
– E aí, vamos transar com um gato?
Então diz o sádico:
– Vamos transar com um gato e depois torturá-lo!
E diz o assassino:
-Vamos transar com um gato, torturá-lo e depois matá-lo!
Diz o necrófilo:
– Vamos transar com um gato, torturá-lo, matá-lo e depois transamos com ele outra vez!
E diz o piromaníaco:
– Vamos transar com um gato, torturá-lo, matá-lo, transar com ele outra vez e atear-lhe fogo!
Segue-se um silencio, todos olham para o masoquista e perguntam:
– E aí? E diz o masoquista:
– Miau!