Cinto de Castidade

O Rei Artur estava pronto para ir às Cruzadas, mas antes de partir foi ver Merlin e pediu-lhe para que fabricasse o melhor cinto de castidade que pudesse existir, para que nenhum cavaleiro pudesse tentar contra a virtude da sua linda esposa.

No dia seguinte, Merlin volta com um cinto de castidade moderníssimo, que apenas preocupou o Rei por um detalhe:

– Merlin! – berrou ele – Você pensa que sou burro? Esse cinto de castidade tem um buraco justamente onde não poderia ter! Por acaso você quer se aproveitar de sua invenção para se envolver com a minha esposa?

Antes que o rei mandasse executá-lo, ele se justificou:

– De forma alguma, majestade! Observe que no buraco há uma pequena guilhotina com uma lâmina afiada, que funciona sempre que se introduz algo no buraco.

– Oh, excelente! – responde o rei, entusiasmado – Agora poderei viajar mais tranquilo.

Três anos depois, ele volta das Cruzadas e convoca todos os cavaleiros:

– Vamos lá! Abaixem as calças, é hora do exame médico!

Todos os cavaleiros alinham-se em frente ao Rei, baixam as calças e para espanto e estupefação dele, todos estão capados, com exceção do seu fiel amigo Lancelot.

Vendo que todos os cavaleiros tinham o traído, mas o seu grande amigo Lancelot manteve fidelidade, o Rei agarrou-o pelos ombros e disse:

– Lancelot, estou orgulhoso de ti. Enquanto nenhum dos outros resistiu à tentação de dormir com a Rainha, tu conseguiste domar os teus impulsos em nome de nossa amizade! Por isso, é com muita honra que te concedo o que quiseres. Faça a tua escolha…

Mas Lancelot não disse nada… Estava mudo!