Conte até dez

O psicólogo fazia testes para admissão de novos candidatos em uma empresa de seleção.
– O senhor pode contar até dez, por favor!
– Dez, nove, oito, sete, seis, cinco, quatro, três, dois, um.
– Porque você contou de trás pra frente?
– É que eu trabalhava na Nasa!
– Sinto muito, está reprovado!
Entra o próximo.
– O senhor pode contar até dez, por favor!
– Um, três, cinco, sete, nove, dois, quatro, seis, oito, dez!
– Porque você contou primeiro os ímpares e depois os pares?
– Porque eu trabalhava como carteiro.
– Sinto muito, está reprovado!
Entra o próximo.
– Antes de começarmos, por favor me diga uma coisa, o que o senhor fazia no emprego anterior.
– Eu era funcionário público!
– OK! O senhor pode contar até dez!
– É claro! Dois, três, quatro, cinco, seis, sete, oito, nove, dez, valete, dama, rei e ás.

Bichinha no médico

A bichinha vai ao médico, este encosta o estetoscópio em suas costas e diz:
– Por favor, diga 33!
– Trinta e três – responde a bichinha, com voz afetada!
– Muito bem, – ele muda a posição do estetoscópio. – Novamente.
– Trinta e três!
O médico coloca o estetoscópio no peito do seu cliente:
– Diga 33!
– Trinta e três!
– Ótimo! Mais uma vez!
– Trinta e três!
– Perfeito, agora vamos examinar a próstata!
A bichinha se põe de quatro, abaixa as calcas e o médico mete o dedo no rabo dela.
– Diga 33 – diz ele, descuidado.
– Um… Dois… Três… Quatro…