Um vôo arriscado

A sala de espera estava lotada de passageiros para o vôo 171, da Gaivota’s Airlines, que já estava meia hora atrasado. As aeromoças tentavam tranquilizar os passageiros, dizendo que a equipe de vôo ainda estava a caminho, quando de repente aparece o co-piloto, todo uniformizado, de óculos escuros e de bengala branca, tateando pelo caminho. Uma das aeromoças da companhia o encaminha até o avião enquanto os passageiros não acreditam no que vêem. Ela logo trata de se explicar:

– Sei que pode parecer estranho, mas apesar do Comandante Walter Bengala ser cego, ele é o melhor co-piloto da companhia!

Os passageiros ficam apreensivos e, alguns minutos depois, chega um outro funcionário, também uniformizado, de óculos escuros e de bengala branca, amparado por uma prestativa aeromoça, que toma a frente e diz, cheia de convicção:

– Senhores passageiros, apesar do piloto Inácio Bengala ser cego, ele é o melhor co-piloto da companhia e, juntamente com o seu irmão, formam a melhor dupla que esta empresa já teve!

Todos os passageiros ficam chocados e surpresos com a cena, mas mesmo assim embarcam no avião. O comandante avisa que o avião vai levantar vôo ele começa a correr pela pista, cada vez mais rápido. Todos os passageiros se olham, suando e com muito medo da situação.

O avião vai aumentando a velocidade e nada de levantar vôo. A pista está quase acabando o avião nem dá sinal de sair do chão. Todos começam a ficar cada vez mais apavorados. O desespero toma conta dos mais medrosos, enquanto alguns ainda ficam firmes, confiando na competência cega dos pilotos.

Alguns segundos depois nem esses se seguram e todos começam a gritar histericamente e só se acalmam quando o avião decola, ganhando o céu, subindo suavemente e provando a competência dos pilotos cegos. Todos ficam aliviados até que o piloto, que ainda não havia desligado o microfone, vira-se para o co-piloto e diz:

– Já pensou se algum dia o pessoal não gritar?

Teste de inteligência

Um mudo quer comprar uma escova de dentes. Imitando alguém escovando os dentes, ele consegue se fazer entender pelo vendedor e a compra é realizada com êxito.

Agora, se tiver um cego querendo adquirir um par de óculos escuros, como ele deveria se expressar para se fazer entender? Ele precisa apenas abrir a boca e pedir, simples, não é?

Se você errou, cave um buraco e esconda-se…

Solução de engenheiro

Um padre, um médico e um engenheiro estão jogando golfe. Na frente deles um grupo que há mais de meia hora não sai do lugar. Passa um empregado do clube e os três perguntam o que está acontecendo com o grupo. O sujeito explica:

– Estas pessoas são cegas. Perderam a vista ao tentar salvar a sede social do clube no ano passado, que estava em chamas. Desde então nós deixamos eles jogarem de graça.

Os três se mantêm em silêncio até que o padre diz:

– Muito triste. Vou rezar por eles na próxima missa.

O médico acrescenta:

– Boa idéia! E eu vou conversar com um colega oftalmologista para ver se ele pode fazer algo.

E o engenheiro:

– Por que é que eles não jogam à noite?

O ceguinho e o cachorro

O ceguinho está parado na esquina, aguardando para atravessar a rua, quando um cachorro chega e faz xixi em cima da perna dele.

Ao sentir o liquido escorrendo-lhe pela perna, ele imediatamente enfia a mão no bolso, tira um doce e oferece ao cachorro.

Ao ver aquela cena uma senhora, observa:

– Quanta bondade! O cachorro mijou em sua perna e ainda o senhor lhe oferece comida!

E o ceguinho:

– Eu so quero saber onde é a cabeça dele para eu dar uma paulada!

Empatando o Jogo Alheio

No clube de golfe estavam um padre, um médico e um advogado disputando uma partida, quando de repente percebem um grupo de jogadores extremamente ruins, um pouco mais à frente, atrapalhando o jogo.

Antes que eles começassem a reclamar, um dos carregadores explica:

— Eles são cegos, senhor. Eles perderam a visão tentando salvar o clube de um incêndio, há alguns anos.

— Puxa, que azar! — lamenta o padre. — Vou rezar uma missa por eles.

E o médico:

— Vou falar com um amigo oftalmologista para ver se ele consegue um transplante.

E o advogado:

— Porra, por que eles não jogam de noite?