Circunstâncias

Valtão perdeu um braço num acidente de carro e ia todo cabisbaixo pela rua, quando viu um outro aleijado, sem os dois braços.

O cara ria e pulava. Valtão comentou admirado:

– Pô… Vivendo e aprendendo! Eu estou aqui chateado porque perdi um braço e você todo feliz sem os dois braços!

Ao que o outro respondeu:

– É que quero coçar a bunda e não posso!

Tradição natalina

Muitos anos atrás, na época do Natal, Papai Noel se preparava para sua viagem anual. Só que as coisas não estavam caminhando bem…

Primeiro, quatro de seus duendes ficaram doentes, e os duendes substitutos não conseguiram produzir os brinquedos com a mesma eficiência.

Papai Noel começou a se aborrecer, pois o prazo era curto até o Natal. Para piorar a situação, a sogra do Papai Noel veio lhe fazer uma visitinha rápida, mas acabou ficando…

Ele já não tinha muito tempo, e estava atrasado.

Quando ele foi por os arreios nas renas, não encontrou três delas, que tinham pulado a cerca e fugido. Além de outras duas que estavam grávidas e não podiam trabalhar.

Nessa altura Papai Noel já tava perdendo a esportiva.

Quando ele começou a carregar o trenó, um dos lados quebrou, e os brinquedos caíram todos no chão, quebrando-se em pedaços.

Frustrado, resolveu tomar um café com uísque para se acalmar. Mas, não achou nenhuma garrafa de uísque, pois os duendes haviam tomado tudo! Enquanto procurava por mais garrafas, deixou cair o vidro de café, que se quebrou em mil pedacinhos, fazendo a maior sujeira na cozinha. Foi buscar a vassoura e descobriu que os ratos tinham roído as cerdas!

Nesse momento tocou a campainha e Papai Noel foi atender. Era um anjo, com uma linda árvore de natal, que disse alegremente:

– Feliz Natal, Papai Noel. Não está um dia lindo? Onde você quer que eu ponha esta árvore?

E assim começou a tradição de se colocar um anjinho no topo da árvore de Natal…

Os dois morcegos

Dois morcegos estão pendurados em sua caverna. Eles estão há dias sem encontrar comida. Um deles pergunta ao outro:

– Vamos comer?

– Você está louco? – responde o outro – Você nunca vai encontrar sangue a esta hora do dia.

O primeiro morcego insiste, mas o segundo não quer ir. Ele então vai sozinho. Não dá dois minutos, e ele está de volta, com o rosto cheio de sangue. O segundo morcego nem acredita, e pergunta:

– Onde é que você conseguiu sangue?

– Fácil – responde o primeiro – Você está vendo aquela árvore ali?

– Claro que estou vendo.

– Pois é, eu não vi.


Conheça também meu blog Reflexões e Utopias