Tradição natalina

Muitos anos atrás, na época do Natal, Papai Noel se preparava para sua viagem anual. Só que as coisas não estavam caminhando bem…

Primeiro, quatro de seus duendes ficaram doentes, e os duendes substitutos não conseguiram produzir os brinquedos com a mesma eficiência.

Papai Noel começou a se aborrecer, pois o prazo era curto até o Natal. Para piorar a situação, a sogra do Papai Noel veio lhe fazer uma visitinha rápida, mas acabou ficando…

Ele já não tinha muito tempo, e estava atrasado.

Quando ele foi por os arreios nas renas, não encontrou três delas, que tinham pulado a cerca e fugido. Além de outras duas que estavam grávidas e não podiam trabalhar.

Nessa altura Papai Noel já tava perdendo a esportiva.

Quando ele começou a carregar o trenó, um dos lados quebrou, e os brinquedos caíram todos no chão, quebrando-se em pedaços.

Frustrado, resolveu tomar um café com uísque para se acalmar. Mas, não achou nenhuma garrafa de uísque, pois os duendes haviam tomado tudo! Enquanto procurava por mais garrafas, deixou cair o vidro de café, que se quebrou em mil pedacinhos, fazendo a maior sujeira na cozinha. Foi buscar a vassoura e descobriu que os ratos tinham roído as cerdas!

Nesse momento tocou a campainha e Papai Noel foi atender. Era um anjo, com uma linda árvore de natal, que disse alegremente:

– Feliz Natal, Papai Noel. Não está um dia lindo? Onde você quer que eu ponha esta árvore?

E assim começou a tradição de se colocar um anjinho no topo da árvore de Natal…

A Voz

Um sujeito estava caminhando pela rua quando ouviu uma voz misteriosa dizer:

– Para!

No mesmo instante o sujeito parou e um tijolo caiu bem a sua frente. Ele estranhou, mas prosseguiu. Depois de alguns segundos ele ouve novamente a mesma voz, dizendo para ele parar. Ele obedece e um caminhão descontrolado passa a dois centímetros de seu rosto.

Surpreso, ele pergunta:

– De quem é essa voz que me ajuda?

– Sou seu anjo da guarda e tenho a missão de lhe proteger. Agora que está tendo esta oportunidade de falar comigo, deve ter muitas perguntas a fazer…

– Na verdade, só tenho uma: Onde é que você estava no dia do meu casamento?