Advogado é advogado…

O advogado estava chegando atrasado ao Fórum para uma importante audiência, que lhe daria um bom dinheiro, e não encontrava estacionamento. Levanta as mãos ao céu, em desespero, fecha os olhos e diz:

– Senhor! Por favor! Me arrume uma vaga para estacionar e te prometo que irei à Missa todos os domingos. Deixo a mulherada, as noitadas, o álcool e vou ser honesto com todos os meus clientes. Além disso, terminarei o caso que tenho com a minha secretária que também é casada. Vou ser fiel para o resto da minha vida e viver só para minha família.

Nesse instante, milagrosamente, um carro dá a ré e deixa a vaga bem na porta do Fórum. Ele estaciona e diz:

– Não se preocupe mais, Senhor! Já achei uma vaga…

Muquirana

Uma instituição de caridade de uma cidade do interior paulista nunca tinha recebido uma doação de um dos advogados mais ricos da cidade.

O diretor da instituição decidiu ele mesmo ir falar com o advogado:

Nossos registros mostram que o senhor ganha muito mais de R$ 400.000,00 por ano, e assim mesmo o senhor nunca fez nem mesmo uma pequena doação para nossa instituição de caridade. O senhor gostaria de contribuir agora?

O advogado respondeu:

– A sua pesquisa apurou que minha mãe está muito doente e que as contas médicas são muito, mas muito superiores à renda anual dela?

– Não… murmurou o diretor, muito desconcertado.

– Ou que meu irmão é cego e está desempregado? – continuou o advogado.

O diretor nem se atreveu a abrir a boca.

– Ou que o marido da minha irmã morreu num acidente e deixou-a sem um tostão e com 5 filhos menores para criar? – disse o advogado já com ar de indignação.

O diretor, sentindo-se muito constrangido, falou:

– Eu não tinha a menor idéia de tudo isso…

– Então – disse o advogado – se eu não dou um tostão para eles, por que iria dar para vocês?

Fazendo Justiça

No dia da audiência, o acusado faz uma proposta ao seu advogado:
– Vamos combinar o seguinte? Se eu pegar 5 anos, lhe pago mil Reais, se eu pegar 3 anos lhe pago dois mil e se eu pegar somente um ano lhe dou cinco mil, topas?
– Combinado!
No dia seguinte, o advogado vai visitar o seu cliente na prisão.
– Eu lhe consegui um ano, portanto você me deve cinco mil! E olhe que tivemos sorte, pois eles queriam absolvê-lo!

Ao telefone

Aquele jovem advogado recém-formado, montou um luxuoso escritório num prédio de alto padrão na Av. Paulista e botou na porta uma placa dourada:

“Dr. Antonio Soares – Especialista em Direito Tributario”.

No primeiro dia de trabalho, chegou bem cedo, vestindo o seu melhor terno e sentou-se atrás de sua escrivaninha, cheio de empáfia e ficou aguardando o primeiro cliente. Meia hora depois batem à porta. Rapidamente ele apanha o telefone do gancho e começa a simular uma conversa:

– Mas é claro, Sr. Mendonça, pode ficar tranqüilo! Nós vamos ganhar esse negócio! O juiz já deu parecer favorável! Sei… sei… Como? Meus honorários? Não se preocupe! O senhor pode pagar os outros 50 mil na semana que vem!… É claro!… Sem problemas!… O senhor me dá licença agora que eu tenho um outro cliente aguardando… Obrigado… Um abraço!

Bate o fone no gancho com forca e vai abrir a porta:

– Pois não, o que o senhor deseja?

– Eu vim instalar o telefone!

Num Tribunal

Um réu estava sendo julgado por assassinato e havia fortes evidências indicando-lhe a culpa, mas não havia cadáver. No pronunciamento final da defesa, o advogado sabendo que o seu cliente provavelmente seria condenado, recorreu a um truque:

– Senhoras e senhores do juri. Eu tenho uma surpresa para todos vós. – disse o advogado, olhando para o seu relógio – Dentro de um minuto, a pessoa presumidamente assassinada neste caso vai entrar neste tribunal!

E olhou para a porta. Os jurados, surpresos, também olharam ansiosos para a porta. Um minuto passou e nada aconteceu. Finalmente o advogado disse:

– Realmente eu falei e todos vocês olharam com expectativa. Portanto ficou claro que vocês têm dúvida se neste caso alguém realmente foi morto e insisto para que vocês considerem meu cliente realmente inocente!

O júri, visivelmente surpreso, retirou-se para a resolução final. Alguns minutos depois o júri voltou e pronunciou o veredicto: Culpado.

– Mas como? – peguntou o advogado – Vocês estavam em dúvida, eu vi-os a todos a olharem fixamente para a porta!

E o primeiro do júri respondeu:

– Sim, nós realmente olhamos… mas o seu cliente não!

Dívida com o advogado

Amit era um alto funcionário da corte do Rei Akbar. Há muito tempo, nutria um desejo incontrolável de chupar os voluptuosos seios da rainha até se fartar. Todas as vezes que tentou, porém, deu-se mal. Um dia, ele revelou seu desejo a Birbal, principal conselheiro e Advogado do Rei, e pediu que ele fizesse algo para ajudá-lo.

Birbal, depois de muito pensar, concordou, sob a condição de Amit lhe pagar mil moedas de ouro, que aceitou o acordo. No dia seguinte, Birbal preparou um líquido que causava comichões e derramou no sutiã da rainha, que o deixara fora enquanto tomava banho.

Logo a coceira começou e aumentou de intensidade, deixando o rei preocupado. Médicos de todo o reino foram chamados, mas nada resolveu. Birbal então disse ao Rei que apenas uma saliva especial, se aplicada por quatro horas, curaria aquela espécie de coceira. Birbal também disse que essa saliva só poderia ser encontrada na boca de Amit.

O Rei Akbar ficou muito feliz e então chamou Amit e ordenou-lhe o ato, sob pena de que, se não o fizesse, seria decaptado. Então pelas quatro horas seguintes Amit fartou-se em chupar à vontade os suculentos e deliciosos peitões da rainha. Lambendo, mordendo, apertando e passando a mão, ele fez o que sempre desejou. Satisfeito, ele se encontrou depois com o advogado Birbal que queria receber os honorários combinados. Com seu desejo plenamente realizado e sua libido satisfeita, Amit se recusou a pagar ao advogado e, ainda por cima, o escorraçou e zombou de sua cara, pois sabia que, Birbal nunca poderia contar o fato ao rei.

Mas Amit havia subestimado o Advogado Birbal. No dia seguinte, por vingança, Birbal colocou o mesmo líquido na cueca do rei.

Moral da História: Você pode ficar devendo pro mundo inteiro, até pro capeta. Mas nunca, nunca mesmo, pense em dever para um Advogado.