Lembranças conjugais

Um homem casado consegue esquecer seus pequenos erros imediatamente.
Sua esposa consegue lembrá-los para sempre.

Anúncios

Campeonato Mundial de Sensibilidade

Todo ano acontece o Campeonato Mundial de Sensibilidade de Ânus, para definir qual viado tem o ânus mais sensível do mundo.

Chegado o dia da competição e o Morumbi estava uma loucura, mais lotado que final de campeonato. Tinha torcedor do mundo inteiro, todos viados, torcendo pelos baitolos, que representavam seus países. Mais de cem mil viados dentro do Morumbi, gritando, esperneando, tendo chiliques, ataques, desmaiando…

A bicharada adorando a lotação, todo mundo apertado, se esfregando, encoxando…

Bom, eis que chegam-se aos três finalistas, e o juiz fala:

– Vamos ao primeiro finalista. Ele vem de Londres, é sua primeira vez numa final de campeonato e ele está indo muito bem na competição.

Entra o viadinho inglês, saltitando pelo campo, com uma calça de couro rosa e uma regatinha bem fininha e bem apertada. A pequena torcida inglesa fazia o que podia, agitava bandeiras, dava gritinhos de “já ganhou”.

E o juiz:

– Vamos à prova final.

O juiz vendou o inglês, colocou-o de quatro, abaixou a sua calça e começou a passar um CD em seu ânus. E o viadinho:

– Ai… ui… hummm… É um CD… ahh… Do Queen… Ao vivo em Wimblendon… Da Polygram!!!

– Aeeeeeeeeeehhhhhhhhhh!!! Já ganhou… Já ganhou… Já ganhou… – gritava a pequena torcida.

E o juiz:

– Muito bem, vamos ao segundo concorrente. Ele vem de São Francisco, já foi campeão mundial uma vez há 3 anos, segundo colocado no ano passado, e está decidido a recuperar o título. E entra o viado com todo estilo americano dando a volta olímpica, só de cueca de couro, com uma torcida considerável cantando em coro “We are the champions…”, faixas de campeão, fogos de artifício, etc.

O juiz vendou-o, colocou-o de quatro e pegou um lápis:

– Aaaaiiiii…. uuuuuiiiiii…. ahhhhhhhh…. É… É um lápis… hummm… Preto… Da Faber Castel… No. 2!!!

A torcida foi a loucura. Parecia que o campeonato estava ganho. Iria ser muito difícil ele perder esse ano. Foi quando foi anunciado o terceiro finalista, o favorito da competição, bi-campeão mundial, lutando pelo tricampeonato. E entrou o Brasileiro, de Campinas, lógico, rebolando, dançando, mandando beijos…

O Morumbi tremia, havia mais de 90 mil viados ali torcendo por ele, era ensurdecedor o barulho. O juiz nao suportava esse viadinho, não ia com a cara dele, não aguentava mais o seu jeito arrogante… Ele queria fazer alguma coisa para evitar que esse viado ganhasse novamente. E ele pensou:

– Eu vou ferrar esse viado esse ano. Ele não pode ser campeão novamente.

O campinense se vendou e ficou de quatro esperando pelo juiz. Ele adorava essa competição, e tinha um ânus realmente sensível. Momento de silêncio no estádio. Foi quando juiz pegou sua xícara de café fervendo de quente e tacou no ânus do viadinho. E ele deu um berro:

– Aaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaiiiiiiiiii!!!

E o juiz, sarcástico:

– Que foi, tá quente?

– Nããããão, tá sem açúcar!!

:o)

 

Telegrama do chefe

TELEGRAMA DO CHEFE

Um belo dia, um vendedor recebeu um telegrama de seu gerente, no qual estava escrito: PORRA. No dia seguinte, o vendedor respondeu por telegrama: FODA-SE.

Retornando ao escritório central, foi imediatamente chamado pelo gerente, que disse-lhe:

– Você não tinha o direito de me responder daquele jeito! Não sabe que estamos em contenção de despesas? O meu telegrama era simplificado e o significado de PORRA é: ‘Por Obséquio Remeter o Relatório Atrasado’.

O vendedor argumentou:

– Sei de tudo isso e foi exatamente dentro desse espírito que lhe respondi! FODA-SE, que significa: ‘Foi Ontem Despachado, Amanhã Será Entregue’.

Isso é que é um raciocínio rápido!

Cuidado com o cão

O sujeito entra numa loja e dá de cara com um enorme cartaz: “Cuidado com o Cão”, ressabiado, faz as suas compras sempre atento para alguma eventual surpresa, quando na saída depara-se com um cãozinho que cabia na palma da mão.
Então, ele vira-se para o caixa e pergunta:
– Este é o cachorro com o qual eu tenho que tomar cuidado?
– Exatamente – responde o caixa.
– Ele não me parece nem um pouco perigoso!
– E realmente, não é!
– Então, porque você colocou o cartaz?
– Porque antes todo mundo pisava nele!

Paiê, quero água!

Juquinha, 4 anos, está indo para cama. Cinco minutos depois:
– Paiêêêêê!
– O que foi?
– Estou com sede. Você me traz um copo d’água?
– Não. Você deveria ter lembrado disso antes. Agora apaga a luz e dorme.
Cinco minutos depois:
– Paiêêêêê!
– O QUE?
– Estou com sede. Você me traz um copo d’água?
– Já te disse que não! Se você me pedir mais uma vez, você vai apanhar!
Cinco minutos depois:
– Paiêêêêê!
– O que?
– Quando você vier me bater você traz um copo d’água?
Você já conhece meu blog de Reflexões?