Decreto do calça atolada

O Governador da calça atolada acaba de criar mais um decreto, este baseado na cabeça dele, de seus pseudocientistas e pseudomédicos.

Segue abaixo:

PROTOCOLO PARA ARMAR O PRESÉPIO EM 2020

1- Será permitido o máximo de 6 pastorzinhos no presépio. Todos devem estar com máscaras e observando a distância social;

2- José, Maria e o Menino Jesus poderão permanecer juntos por conviverem (ainda em discussão, por causa do menino Jesus);

3- O burro e o boi deverão trazer certificado do Ministério da Agricultura;

4- Os reis magos deverão cumprir a quarentena de 15 dias, já que vieram de países estrangeiros, tenham ou não prova de CovId19 negativo;

5- O feno, o musgo e o papel de alumínio do laguinho devem ser desinfectados com álcool em gel;

6- Não será permitido o anjo porque suas asas produzem efeito aerosol;

7- O coro se resume a um só cantor, para evitar contágio;

8- Nenhum pastorzinho deve ser maior de 65 anos por fazer parte do grupo de risco;

9- Pilatos dará um curso temático: “Como lavar as mãos”.

J. Glória Jr.
(des)Governador daquilo que um dia já foi um Estado

Relógios

O Senador ACM morreu e foi para o céu (acredite se quiser).

Enquanto estava em frente ao anjo nos Portões Celestiais, ele viu uma enorme parede com relógios atrás dele.

Ele perguntou: “Que são todos aqueles relógios?”

O anjo respondeu: “São Relógios da Mentira. Todo mundo na Terra tem um Relógio da Mentira. A cada vez que você mente, os ponteiros de seu relógio se movem.”

“Oh,” disse ACM, “de quem é aquele relógio ali?”

“É o de Jesus. Os ponteiros nunca se moveram, indicando que ele nunca mentiu.”

“E aquele, é de quem?”

“É o de Abrahan Lincoln. Os ponteiros só se moveram duas vezes, indicando que ele só mentiu duas vezes em toda a sua vida.”

“E cadê o MEU Relógio?”

“Ah! O seu está na minha sala. Estou usando-o como ventilador de teto.”

Quem manda?

Um avião está indo para Salvador. A bordo estão o Senador Antônio Carlos Magalhães e um bando de assessores. De repente ouve-se uma explosão, em seguida um cheiro forte de enxofre e aparece o Diabo, que se dirige aos passageiros e fala: “Este avião vai cair e todo mundo vai morrer!”

Pânico geral no avião, choradeira para um lado, desmaios para o outro, mas eis que levanta Antonio Carlos Magalhães e diz aos assessores: “Calma, deixa que eu resolvo.”

ACM leva o Diabo para um canto, conversa, conversa, conversa, e volta para os seus assessores e fala: “Pronto! Tudo resolvido!”

Nisso ouve-se outra explosão, o cheiro de enxofre some e o diabo vai embora. Um assessor daqueles chega pro Senador e pergunta: “Senador, o que o Sr. disse para o Diabo desistir de matar a gente?”

“Eu disse pra ele o seguinte” – responde ACM – “Tu conhece Salvador?”

“Conheço” – respondeu o Diabo.

“Pois é, Salvador tem Prefeito. Mas quem manda lá sou eu. Tu conhece a Bahia?” – continua ACM.

“Conheço”, responde o Diabo.

“Pois é, a Bahia tem Governador, mas quem manda lá sou eu. Tu conhece o Brasil?” – continua ACM.

“Conheço”, responde o Diabo.

“Pois é, o Brasil tem Presidente, mas quem manda lá sou eu.”

E continuou a falar para o Diabo: “Mas agora tem um negócio, não vou te enganar não Sr. Diabo, se eu morrer, eu vou pro Inferno…”

O cachorro

Numa manhã de domingo, Lula passeava de carro com seu chofer pelas redondezas das fazendas perto da sua, quando de repente… Splash! O carro atropela um cachorro!

O presidente pede:

“Antônio, por favor, vá até a casa da fazenda e diga ao dono que atropelamos o seu cachorro!”

O motorista vai e só depois de algumas horas ele volta, todo amarrotado, cambaleando e com um litro de vinho na mão…

Lula se irrita:

“O que aconteceu com você? Pode me explicar?”

E o Antônio responde, com voz de mamado:

“Olha… Nem sei… Cheguei lá e o dono da fazenda me deu comida à vontade, sua mulher me fez massagem, a filha de 19 anos transou comigo apaixonadamente, e ainda me deram um monte de bois!”

“Mas o que você disse a eles?” – estranha o presidente.

E o motorista:

“O que o senhor me pediu, ué. Cheguei lá e disse: ‘Olá. Eu sou o chofer do Lula e matei o cachorro!’ “

Sanidade

O ex-Presidente Lula vai visitar um hospício e é recepcionado por uma comissão de pacientes.

“Viva o Presidente! Viva o Presidente!” – gritavam eles, entusiasmados.

Ao ver um dos componentes da turma calado, um dos assessores do presidente, abordou-o e perguntou:

“E você, por que não está gritando: “Viva o Presidente!” ?

“Porque eu não sou louco, sou médico!”