Esperteza feminina

O maridão, após uma longa e caliente lua de mel, todo cheio de nove horas diz à esposa:
– Querida, nossa lua de mel foi uma maravilha, mas existem algumas regras que você deve saber e respeitar para mantermos o nosso casamento feliz.
– Ok, querido! Quais são as regras?
– Bem, nas segundas e quartas, eu tenho um compromisso sagrado: eu saio para fazer um churrasco com os amigos. Eu já faço isso há anos com a mesma turma da faculdade, não vai nenhuma mulher e COM CASAMENTO ou SEM CASAMENTO eu vou!
– OK, meu amor! Tudo bem!
– Bem, nas terças e quintas, eu tenho um outro compromisso sagrado: eu saio para ir a sauna com os amigos. Eu já faço isso há anos com alguns amigos. Não vai nenhuma mulher e COM CASAMENTO ou SEM CASAMENTO eu vou!
– OK, meu amor! Tudo bem!
– Nas sextas-feiras eu tenho um compromisso quase profissional: eu saio para tomar cerveja com o pessoal do escritório. É o lado social do nosso trabalho… você sabe como é! Eu já faço isso há anos…. Não vai nenhuma mulher e COM CASAMENTO ou SEM CASAMENTO eu vou!
– OK, meu amor! Tudo bem!
– Poxa! Que bom que você entendeu tudo direitinho! Encontrei a mulher certa! A minha turma vai ficar morrendo de inveja da minha sorte! Vamos nos dar muito bem, querida…
Aí foi quando ela fez um aparte…
– Espere um pouquinho meu amor! Eu também tenho regras que eu quero continuar seguindo, é apenas uma e depende muito de você.
– E qual é, meu amor?
– Toda noite eu transo! COM MARIDO ou SEM MARIDO!
Anúncios

E alguém se deu mal…

Esta é a história de um caminhoneiro que viajava por todo o Brasil e seu lema era o seguinte: MEU NOME É JOÃO, SOU DO MARANHÃO, GOSTOSÃO, ENTROU NO MEU CAMINHÃO NÃO TEM PERDÃO…
Mas já estava há dois meses dirigindo pelas estradas em jejum e não conseguia pegar nenhuma mulher.
Eis que de repente, ele vê à sua frente, uma freira, novinha, bonitinha, pedindo carona, pensou ele:
– Que deus me perdoe. Parou o caminhão e a freira subiu.
– Bom dia meu filho, você poderia me levar para a cidade mais próxima?
– Bom dia dona freira, claro, mas tem um pequeno problema: meu nome é João, sou do Maranhão, gostosão, entrou no meu caminhão não tem perdão.
– Calma meu filho, aqui na frente está reservado para Deus, porém atrás está livre. Não deu outra, o João traçou a freirinha. Dirigindo pela estrada, João ficou pensando na besteira que tinha feito (traçado a freira), quando ela disse:
– Meu filho, pode parar que eu vou descer aqui nesta fazenda.
João respondeu:
– Dona freira, me desculpe pelo que eu fiz com a senhora, que Deus me perdoe, mas a senhora sabe como é ficar solitário muito tempo.
Respondeu a freira:
– Não tem problema, porque MEU NOME É JUVENAL, SOU DE NATAL, HOMOSSEXUAL, GOSTEI do TAL e esta é a MINHA FANTASIA DE CARNAVAL!

Negociando

Uma dona de casa recebe um amante todo dia em sua casa a tarde, enquanto o marido trabalha.
Durante suas safadezas, ela deixa o filhinho de 9 anos trancado no armário do quarto.
Certo dia o marido chegou em casa e o amante ainda estava lá. Então ela trancou o amante no armário junto com o filho. Eles ficaram lá um tempo, até que o menino falou:
– Escuro aqui, não?
– É, está.
– Eu tenho uma bola de baseball.
– Que legal!
– Quer comprar?
– Não!
– Meu pai está lá fora!
– Quanto você quer pela bola?
– R$ 25,00.
– Toma.
Uma semana depois, o marido torna a chegar cedo. O amante está na casa. O menino está no armário. O amante vai pro armário. Eles ficam lá em silêncio até que o menino fala:
– Escuro aqui, não?
– É, está.
– Eu tenho uma luva de baseball.
– Que bom.
– Quer comprar?
O homem lembrando da outra semana:
– Claro, quanto é?
– R$ 75,00.
– Aqui está.
No fim-de-semana o pai chama o filho:
– Pega a bola e a luva e vamos jogar.
– Não dá pai. Eu vendi tudo.
– Vendeu?? Por quanto?
– R$ 100,00.
– Filho! Você não pode ficar enganando seus amigos assim. Em lugar algum a gente paga tanto por isso. Vou levá-lo agora no padre para que você confesse. Chegando na igreja, o menino entra na portinha, se ajoelha e fecha a portinha. Uma janelinha se abre para que o padre possa ouvir o menino.
– Meu filho, não temas a Deus, diga e Ele te perdoará. Qual seu pecado?
– Escuro aqui não???
– Não vá começar com essa merda de novo!!!

As necessidades de cada um

Nunca tinha entendido por que as necessidades sexuais dos homens e das mulheres são tão diferentes. Nunca tinha entendido tudo isso de Marte e Vênus. E nunca tinha entendido por que os homens pensam com a cabeça e as mulheres com o coração.
Uma noite, semana passada, minha mulher e eu estávamos indo para a cama. Bom, começamos a ficar a vontade, fazer carinhos, e nesse momento, ela pára e fala:
– Acho que agora não quero, só quero que você me abrace.
Eu falei:
– O QUE???
Ela falou:
– Você não sabe se conectar com as minhas necessidades emocionais como mulher.
Comecei a pensar no que podia ter falhado. No final, assumi que aquela noite não ia rolar nada, virei e dormi.
No dia seguinte fomos a um grande hipermercado, do tipo Macro, com muitas lojas dentro dele. Dei uma volta enquanto ela experimentava três modelitos caríssimos. Como não podia decidir por um ou outro, falei para comprar os três.
Então ela me falou que precisava de uns sapatos que combinassem, a R$200 cada par, respondi que tudo bem.
Depois fomos à seção de joalheria, de onde saiu com uns brincos de diamantes. Estava tão emocionada! Deveria estar pensando que fiquei louco, agora penso que estava me testando quando pediu uma raquete de tênis, porque nem tênis ela joga. Acredito que acabei com seus esquemas e paradigmas quando falei que sim.
Ela estava quase excitada sexualmente depois de todo isso; vocês tinham que ver a carinha dela, toda feliz quando ela falou:
– Vamos passar no caixa para pagar
Tive dificuldade para me assegurar ao falar com ela:
– Não, meu bem. Acho que agora não quero comprar tudo isso.
Ela ficou pálida.
Ainda falei:
– Só quero que você me abrace.
No momento em que começou a ficar com cara de querer me matar, falei:
– Você não sabe se conectar com as minhas necessidades financeiras como homem!
Acredito que o sexo acabou para mim até o natal de 2010…

Evitando a Traição

Manoel estava há dois anos no Brasil, trabalhando em uma multi-nacional até que não agüentou de saudades de Maria e voltou para Lisboa.
Chegando lá, foi correndo ver sua esposa e lhe confessou uma coisa:
– Maria, o Brasil é um país maravilhoso, cheio de lindas mulheres e eu não pude resistir a me envolver com elas…
Maria olhou, sem se alterar e Manoel prosseguiu:
– Mas eu quero que tu saibas que quando eu me deitava com elas, eu me lembrava de ti e, na hora H, saía de cima!
Maria ficou pensativa.
– Agora me digas uma coisa, Maria… Você foi fiel a mim durante estes dois anos?
Maria deu um sorriso com o canto da boca e respondeu:
– Bem Manoel… Eu também pensei muito em ti… Mas você tem que entender que sair de baixo é bem mais difícil que sair de cima!

Empregada x Patroa

No meio do almoço de domingo, com a família toda reunida, a patroa grita para a empregada:
– Maria, essa comida está horrível!
O marido fica constrangido e tenta acalmá-la, mas ela insiste:
– Acho que até eu sou melhor do que você na cozinha!
– Pode ser – concorda a empregada – Mas a senhora fique sabendo que eu sou bem melhor do que a senhora na cama!
– O quê? – assusta-se a mulher – Roberto, seu cachorro! Não acredito que você…
– Calma, madame – interrompe a empregada. – Quem me disse isso foi o motorista!

Pedido de Natal

Joãozinho falava com sua mãe pedindo uma bicicleta nova quando ela decidiu que seria uma boa oportunidade para ele tomar consciência de suas atitudes e então falou:
– Bem, Joãozinho, agora não é época de Natal e nós não temos dinheiro para sair comprando
qualquer coisa que você queira. Que tal você escrever uma carta para Jesus e rezar para ganhar
uma bicicleta?
Depois, sua mãe o mandou para seu quarto. Ele finalmente resolveu se sentar e escrever a tal carta:
“Querido Jesus: Fui um menino bonzinho este ano e gostaria de ganhar uma bicicleta nova.
Seu amigo,
Joãozinho.”
Mas Joãozinho lembrou-se que, na verdade, Jesus sabia que tipo de menino ele era. Então, rasgou a carta e resolveu tentar mais uma vez.
“Querido Jesus: Tenho sido um menino legal este ano e quero uma bicicleta nova.
Sinceramente,
Joãozinho.”
Bem, Joãozinho sabia que não estava sendo totalmente honesto. Rasgou a carta mais uma vez. Foi então que Joãozinho olhou para o fundo de sua alma, o que, aliás, era o que sua mãe queria desde o começo. Ele sabia que aprontava de montão e que não merecia nada. Jogou a carta rasgada no lixo e saiu correndo para a rua. Ficou vagando sem rumo, meio deprimido, pensando no modo como tratava seus pais. Estava mortificado.
Às tantas, estava em frente a uma igreja católica. Joãozinho entrou, ajoelhou-se e meditou no que fazer. Finalmente levantou-se e dirigiu-se para a saída, olhando todas aquelas estátuas…
De repente, pegou uma santa pequenininha e saiu correndo. Foi para casa, escondeu a santinha embaixo da sua cama e escreveu a seguinte carta:
“Jesus, Tenho sua mamãe. Se você quiser vê-la novamente, dê-me uma bike.
Assinado: Você sabe quem.”