Como as loiras reagem às cantadas

– Oi gata… Qual o seu telefone?
– Tim e o seu?

– Uau! Isso aqui é uma calçada ou uma passarela de moda?
– Hum, agora você me pegou… É que eu não sou daqui então não sei te informar…

– Eu não tiro o olho de você!
– Ainda bem, né? Senão eu fico cega!

– Nossa! Eu não sabia que boneca andava!
– Sério? Nossa, você tá por fora, hein? Já tem até Barbie que anda de bicicleta!

– Que curvas, hein!
– Nem me fala… Eu bati o carro 7 vezes para chegar nessa festa!

– Esse seu vestido vai ficar lindo jogado no chão do meu quarto!
– Quer comprar um igual para fazer um tapete? Eu te indico a loja…

– Meu coração disparou quando eu te vi!
– Socorro! Alguém ajude! O moço está tendo um ataque cardíaco!

– Eu quero o seu amor, gata!
– Espera só um pouquinho… Amô-or! Tem um moço aqui querendo você!

– Tem fogo?
– Fogo? Aonde? Socorro!!! A boate tá pegando fogo!!!

– Quer beber alguma coisa?
– Ai, que bom que você apareceu, garçom!

– “Me dá” seu telefone, vai!
– Socorro! Um assalto!

Técnica paterna

O casal tinha tido o seu primeiro nenê e de repente a esposa adoece e pede para o marido dar banho na criança.

– Mas querida… – protestou ele. – Eu não sei fazer isso… Nunca dei banho em uma criança!

– Não se preocupe! Basta encher a banheirinha com água quente, e mergulhar o nenê dentro da banheira. Com uma mão você apóia a cabecinha e com a outra o bumbunzinho dele.

Dez minutos depois ela ouve um berreiro. Levanta-se atordoada, vai arrastando-se ate o banheiro e vê o marido segurando o bebê pelas orelhas e mergulhando-o e tirando-o de dentro da água.

– Otavio! O que é isso? O que você esta fazendo? – grita ela, nervosa. – Eu não disse para você apoiar o nenê entre os seus braços?

– Mas daí eu queimo os cotovelos…

Circunstâncias

Valtão perdeu um braço num acidente de carro e ia todo cabisbaixo pela rua, quando viu um outro aleijado, sem os dois braços.

O cara ria e pulava. Valtão comentou admirado:

– Pô… Vivendo e aprendendo! Eu estou aqui chateado porque perdi um braço e você todo feliz sem os dois braços!

Ao que o outro respondeu:

– É que quero coçar a bunda e não posso!