Farda

O homem volta para casa, depois de horas combatendo o fogo, doido para dar um bimbada com a esposa.

Tudo encontra-se no mais completa escuridão, e a esposa está choramingando na cama, reclamando de dor de cabeça. Tira o uniforme no escuro mesmo, fazendo carinhos na mulher.

– Não, querido, hoje não. Estou para morrer de dor de cabeça. Nem acenda a luz, que qualquer luzinha me irrita.

– Então, querida, vou pegar um remedinho na sala.

– Nãão, amor. Não me acenda nenhuma luz, por favor. Va até a farmácia do seu Zé e compra um remédio pra mim, vá.

O marido, assustado, veste-se no escuro mesmo e corre para a farmácia:

– Seu Zé, me vê um remédio para dor de cabeca, urgentemente, que minha mulher está para morrer, gemendo na cama.

– Tudo bem, mas me responda uma coisa: o senhor não é bombeiro?

– Sou, e daí?

– O que tá fazendo vestido de guarda noturno?